Meus Poemas 115.

A Verdade Em Poesia,
FUTURO.

Abre os teus olhos e procura a luz,
Rasga teu coração e pela paz clama,
Pois que neste mundo tudo se reduz,
A um charco inútil cheio de lama.

Procura a misericórdia dAquele que ama,
Pois em caminhos planos Ele nos conduz,
Em planícies de verdes prados faz nossa cama,
E deixa que gozemos as bênçãos da Sua cruz.

Te fará herdeiro de uma eterna vida,
Ali não haverá inveja e desenganos,
Ali também não contarás os anos.

Andarás sempre ali de cabeça erguida.
Com raízes plantadas em rio que não morre,
Será erguido para sempre numa forte torre,
Por: António Jesus Batalha.


A Verdade Em Poesia,Alegria,

ROSA DESBOTADA.

Vi uma rosa desbotada,
Que seu odor expelia,
Na terra não enterrada,
Com água não regada,
Nem chuva nela caía.

Jardim sem ser cuidado,
Porque ninguém passava ali,
A rosa que tenho falado,
Nunca nela tinha pensado,
Pois é rosa que nunca vi.

Nem sonho nem pensamento,
A rosa tão desbotada,
Que da terra foi arrancada,
Ou da roseira cortada,
E levada pelo vento.
Por: António Jesus Batalha.


Poesia, Salvação, Criação,

BELEZA.

Quanta beleza, nos vergéis, nos montes,
Nas plácidas visões dos horizonte,
Na paz real que envolve o coração!
Minhalma canta e louva, e mais se apresta,
A celebrar a aurifulgente festa,
Inaugurando a Tua grande redenção.

Verdes montanhas douram-se no além,
Das páginas dos teus livros, consolo vem,
E  a flama, a fé, no peito a chamejar!
Porque só Tu, excelso Rei dos reis,
Pudeste no calvário uma vez,
A noite em luz, e o choro em paz mudar.
Por: António Jesus Batalha.


Sem comentários:

Publicar um comentário